Agora são Horas e Minutos - Este blog está sendo encerrado! Pesquise os temas que tiver interesse ainda aqui mas visite-nos no novo blog: catolicosomos.blogspot.com, esperamos por você lá! Todas as publicações serão aos poucos transferidas para o novo blog.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Resumo da Vida Católica (4)

AS INDULGÊNCIAS


O que são as indulgências? O que é a "remissão temporal" das penas? "O que é "lucrar"? Eis aqui um guia básico acerca das indulgências[1].

A doutrina das indulgências na Igreja está estreitamente ligada aos efeitos do sacramento da Penitência.


O que são as Indulgências


A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal pelos pecados já perdoados - enquanto culpa - que um fiel disposto e cumprindo certas condições consegue por intermédio da Igreja, a qual, como administradora da redenção, distribui e aplica com autoridade o tesouro das satisfações de Cristo e dos santos.

A indulgência é parcial ou plenária segundo libere em parte ou totalmente a pena temporal devida aos pecados.

Todo fiel pode lucrar para si mesmo ou aplicar pelos defuntos, à maneira de sufrágio, as indulgências tanto parciais quanto plenárias.



A Remissão Temporal das Penas do Pecado

Para entender esta doutrina e prática da Igreja, é preciso recordar que o pecado acarreta uma dupla conseqüência:

1. O pecado grave nos priva da comunhão com Deus e, por isso, nos torna incapazes da vida eterna, cuja privação se chama "a pena eterna do pecado".

2. Por outro lado, todo pecado, inclusive venial, implica em apego desordenado às criaturas, as quais têm necessidade de purificarem-se, seja aqui nesta terra, seja depois da morte, no estado chamado "Purgatório". Esta purificação liberta do que se chama "pena temporal do pecado".

Estas duas penas não devem ser concebidas como uma espécie de vingança infligida exteriormente por Deus, mas como algo que brota da própria natureza do pecado. Uma conversão que procede de uma calorosa caridade pode chegar à total purificação do pecados, de modo que não subsistiria pena alguma.


Condições para Lucrar Indulgências

As indulgências se obtêm pela Igreja que, em virtude do poder de ligar e desligar que lhe foi concedido por Cristo, intervém em favor de um cristão e lhe abre o tesouro dos méritos de Cristo e dos santos, para obter do Pai da misericórdia a remissão das penas temporais devidas pelos seus pecados.

A Igreja não quer apenas acudir em ajudar este cristão, mas também impulsioná-lo a fazer obras de piedade, de penitência e de caridade.

Para ser capaz de lucrar indulgências, é necessário ser batizado, não ter sido excomungado e encontrar-se em estado de graça ao final das obras prescritas.

No entanto, para que o sujeito capaz as lucre, deve ter ao menos intenção de consegui-las, cumprir as obras prescritas dentro do tempo determinado e da maneira devida segundo o teor da concessão.


Requisitos para a Indulgência Plenária

1. Realização da obra enriquecida com a indulgência

- Exceto em caso de morte, só é possível lucrar uma indulgência plenária por dia.

2. Confissão sacramental, comunhão eucarísticas e oração pelas intenções do Papa (Pai Nosso e Ave Maria)

- Embora possam ser cumpridas alguns dias antes ou depois da realização da obra prescrita, é conveniente que sejam efetuadas no mesmo dia em que se concluiu a obra.

- Com uma única confissão é possível lucrar muitas indulgências plenárias; cada comunhão eucarística oferece lucro de apenas uma única indulgência plenária.


3. Exclusão de todo afeto ao pecado, inclusive venial.


Algumas Concessões de Indulgência Plenária

- Adoração ao Santíssimo Sacramento por pelo menos meia-hora.

- Bênção apostólica para o momento da morte.

- Fazer a primeira comunhão ou assisti-la recebendo piedosamente a Sagrada Eucaristia.

- Rezar o Santo Rosário em alguma igreja, em um oratório ou em família.

- Leitura espiritual da Sagrada Escritura por pelo menos meia-hora.

- Exercício da Via Sacra, percorrendo as 14 estações e meditando a Paixão e morte do Senhor; os doentes ou impedidos podem simplesmente ler e meditar cada uma das estações.

- Visitar qualquer igreja, cemitério ou oratório no dia 2 de novembro (aplicável somente em favor dos defuntos). Na visita, deve-se recitar o Pai Nosso e o Credo.

- Visitar a igreja paroquial no dia de festa do padroeiro, ou no dia 2 de agosto (quando se celebra a indulgência da "Porciúncula"), ou em outro dia mais oportuno estabelecido pelo Ordinário. Tais indulgências, desde que tenham a permissão do Ordinário, podem ser lucradas no domingo anterior ou posterior. Na visita, deve-se recitar o Pai Nosso e o Credo.

- Dias de retiro espiritual (pelo menos três dias inteiros).


Algumas Concessões de Indulgência Parcial

- O emprego, com devoção, de algum objeto de piedade (crucifixo, cruz, rosário, escapulário ou medalhas), devidamente abençoado por qualquer sacerdote. Se for abençoado pelo Sumo Pontífice ou qualquer bispos, pode-se lucrar uma indulgência plenária na festa dos Apóstolos Pedro e Paulo (29 de junho) se acrescido pela reza do Credo.


- A reza de orações vocais como:

1. Adoro te Devote — Orações jaculatórias
2. Angelus ou Regina Caeli — Comunhões espirituais
3. Acordaos — Oração mental
4. Símbolo dos Apóstolos — uma litania aprovada
etc.

-----
Nota:
[1] Cf. Catec. Igr. Cat. §§ 992-994; 996; 1471-1473; 1478; cf. Cód. Dir. Can. 1135-1136 .
Leia mais sobre as indulgências:

* * *

2 comentários:

Paulo disse...

Pois amigo, por aqui, algumas indugências vou fazendo, eu e a minha mulher. Não as vejo como "lucro" ou "a conta a crescer", mas sim como actos que devemos pedir perdão.

Fa menor disse...

Gostei de ler, apesar de que
já li muitas vezes sobre as indulgências, mas continua sendo uma grande confusão na minha cabeça. Não consigo entender bem... indulgência plenária e parcial... tenho que me debruçar sobre isso com tempo.

Abraço